Pular para o conteúdo principal

Análise do Texto: ENSINAR HISTÓRIA de Maria Auxiliadora Schmidt e Marlene Cainelli

Análise do Texto: ENSINAR HISTÓRIA de Maria Auxiliadora Schmidt e Marlene Cainelli O texto de Maria Auxiliadora Schmidt e Marlene Cainelli oferece aos leitores da obra a oportunidade para entrar em contato com as propostas recentes destinadas ao ensino de História. Salientam a importância de uma aula ministrada de forma clara, agradável e enriquecedora. Um projeto contínuo de aprendizagem recíproca entre docentes e discentes, através do diálogo e da relação entra o tema e a concepção do aluno sobre a mesma. As respectivas autoras apontam técnicas, métodos e recursos didáticos para que o ensino seja dinâmico e apreciativo perante a sala de aula. As estratégias de ensino elencadas pelas educadoras, considerando os métodos e técnicas aplicadas são procedimentos relevantes para a organização do saber, articulando elementos constitutivos do saber histórico com os do fazer pedagógico. Mutuamente proporcionando aos alunos a participação deste processo de fazer, contar e narrar a história. Schmidt e Cainelli após margear seus ideais do processo educativo do ensino da História nos dias atuais abordam em segundo plano os conceitos dos principais métodos utilizados hoje em sala de aula, e sobre eles dialogam com o leitor as técnicas e a eficácia destas em sua aplicabilidade. Em relação à abordagem magistral compreende esta como um método tradicional, onde o professor é o único transmissor do conhecimento, e o aluno mero assistente. É uma linguagem descritiva da história, de cunho factual e modelo determinista, atualmente mais utilizada no ensino médio e superior. Já a abordagem dialogada é aplicada em tese no ensino fundamental, e sua técnica é levar os alunos a interagirem com o tema proposto, de caráter interativo. Porém tal método necessita da colaboração da classe e do domínio do professor em ser um propagador do entretenimento coerente com a realidade dos fatos do passado e seus alcances na temporalidade, para que assim não haja uma concepção propriamente positivista, onde as maiorias dos alunos entendem do tema exposto uma pseudoverdade e não a realidade histórica. Entretanto salientam os autores que a abordagem dialogada é enriquecedora no processo ativo do saber-fazer, desde que esta atenda requisitos de disciplina. A abordagem construtivista também em pauta pelos doutrinadores adere à concepção da auto-aprendizagem experimental, ou seja, impregnada pela transmissão documental, do saber através da leitura e conceitos concebidos por outros doutrinadores, há uma presunção da veracidade dos documentos em detrimento ao ponto de vista epistemológico, sem apreciação do espírito humano sobre o fato, não cogitam o sonho ou a abstração hipotética. O questionamento existe, de forma preliminar, mas cogitar a realidade é algo não concebido, uma vez que a leitura e suas diversas ramificações pelo campo científico podem expor uma verdade mais convincente. Exposto os moldes da abordagem em sala de aula cabe ao professor utilizá-los de acordo com a necessidade verificada no âmbito escolar, uma vez que é a realidade deste local, a localização do mesmo, e a comunidade participativa que implicará nos métodos a serem utilizados. Agindo o docente com competência e paixão em seu labor é que propiciará aos demais a formação de cidadãos esclarecidos. Adiante, a obra “Estudar História”, traz uma abordagem na qual se compreende como um modelo técnico a ser desenvolvida ao ministrar uma aula, uma passagem pelos recursos didáticos em situações de: Explicação contínua; Aulas sequenciais; e Trabalho com dossiês. E em ambas as situações as autoras refletes sobre os mecanismos aplicados em cada situação, uma variante para que o ensino não seja monótono, desprovendo o fastidioso ensino teórico e cronológico na qual a história se perdurou por muito tempo em termos de objetividade da disciplina. Após explicitar as técnicas e modelos pedagógicos coerentes com a formação escolar contemporânea e relevante para a construção do saber-fazer recíproco entre docentes e discentes, as autoras Maria Auxiliadora Schmidt e Marlene Cainelli esboçam planos de aulas e sua aplicabilidade como um todo de forma disciplinadora e educativa de respectivos temas. E seus ensinamentos propostos em dissertação narrativa e explicativa e resumidamente elencada nesta breve análise sobre a obra faz com que futuros professores, educadores, historiadores assimilem os ideais de que a educação é um processo contínuo e evolutivo, e que o alicerce desta eterna construção do conhecimento é o amor e a dedicação no que se propõem a fazer.
Para exemplificar, segue acima um dos novos método de ensinar história. Vale a pena assistir.
Winderson Marques
3 comentários

Postagens mais visitadas deste blog

Análise do texto: "Ensino de História: fundamentos e métodos"

HISTÓRIA NAS ATUAIS PROPOSTAS CURRICULARES. A proposta do capítulo III do livro Ensino de História: fundamentos e métodos, da autora Circe Maria Fernandes Bittencourt é proporcionar ao leitor o conhecimento dos métodos e técnicas que serão aplicadas em sala de aula, porém considerando os fatores normativos, ou seja, o prescrito e vigente no âmbito jurídico concernentes às propostas curriculares. As renovações ocorridas no ensino de História levam Bittencourt e os leitores a indagarem se as alterações nas técnicas e métodos são respostas provenientes ao mundo tecnológico e informatizado, ou tem promovido o conhecimento histórico sem planos secundários? E diante do questionamento a escritora aflorará a organização dos documentos oficiais e a terminologia pedagógica. As características presentes no modelo Brasileiro de educação são permeadas por modelos externos, principalmente da França. Interferências externas, fatores sociais e políticos direcionam a educação escolar e modelam a socie…

Retificação de Registro Civil - (Via administrativa)

Alguns casos de alteração no registro, seja ele de nascimento, casamento ou óbito podem ser solicitadas no Cartório. Esse procedimento recebe o nome de retificação administrativa, entretanto é importante ressaltar que uma vez lavrado e assinado o registro, qualquer alteração somente poderá ser feita mediante a autorização do Poder Judiciário com a participação do Ministério Público, mas há exceções em que permite retificação somente com a manifestação do Ministério Público
As situações mais simples podem ser retificadas por meio de via administrativa, ficando a cargo da retificação judicial, aquelas situações mais difíceis, que exigem maior indagação. 
Se tratando de retificação judicial o pedido é feito por meio de processo judicial, com a assistência de advogado, sendo que, ao final do processo, o mandado é enviado ao Cartório e este procede à averbação, que é o ato que altera no registro a informação.
Já a retificação administrativa ocorre sem a necessidade da assistência de advogad…

Orientações básicas para inventário extrajudicial

ORIENTAÇÕES BÁSICAS PARA INVENTÁRIO EXTRAJUDICIAL
Inventário: A Lei 11.441/07 facilitou a vida do cidadão e desburocratizou o procedimento de inventário ao permitir a realização deste ato em cartório, através de escritura pública, de forma rápida, simples e segura. O inventário é um procedimento utilizado para apuração dos bens, direitos e dívidas do falecido. Com a partilha é instrumentalizada a transferência da propriedade e divisão dos bens deixados pelo falecido a seus herdeiros.
CONDIÇÕES: TODOS OS HERDEIROS DEVEM SER MAIORES E CAPAZES. O(S) FALECIDO(S) NÃO PODE(M) TER DEIXADO TESTAMENTO
Obs.: Esboço de Partilha elaborado PELO ADVOGADO CONTENDO A RELAÇÃO DE TODOS OS HERDEIROS E BENS devidamente estimados do(S) “FALECIDO(S)”. INVENTÁRIO EXTRAJUDICIAL REQUISITOS:
1.Obrigatoriedade da presença de advogado;
2.Inexistência de herdeiros menores ou incapazes;
3.Inexistência de qualquer forma de litígio;
4.Inexistência de testamento;

DOCUMENTAÇÃO NECESSÁRIA:
1. Minuta assinado por advogado. Inform…